"Somos por São Tomé e Príncipe" diz UPDE em comunicado.

Escrito por  rnstp Set. 04, 2017

O Ministério da Defesa e Administração Interna (MDAI), através da Unidade de Protecção dos Dirigentes do Estado (UPDE) desmentiu este Sábado, dia 2, em comunicado de duas páginas, distribuído à Imprensa,

as declarações proferidas na vésperas nas antenas da TVS e da RTP-África pelo deputado e líder parlamentar do MLSTP/PSD, Jorge Amado e outros deputados, acusando a UPDE de ter desencadeado um cerco ao Palácio dos Congressos e de ter impedido a entrada dos deputados no recinto.

A Unidade de Protecção dos Dirigentes do Estado (UPDE) no seu comunicado informa que citamos: 1. Não corresponde a verdade que a UPDE desencadeou o cerco ao Palácio dos Congressos e terc impedido os Deputados de entrarem para o recinto do referido Palácio. 2. Não corresponde a verdade que a presença dos elementos de segurança pertencentes a esta Unidade no Palácio dos Congressos, não foi do conhecimento da Assembleia Nacional --- fim de citação.

A UPDE esclarece no seu comunicado que “a presença dos seus elementos no Palácio dos Congressos era do conhecimento da Assembleia Nacional, conforme a nota datada de 29 de Agosto enviada ao Secretário-Geral, solicitando a autorização para a realização de um exercício táctico e de reconhecimento no âmbito da formação em curso, fora das horas normais de expedientes bem como aprimorar os conhecimentos adquiridos, sobretudo permitir a elaboração de um plano estratégico de defesa, protecção e evacuação dos dirigentes do Estado, incluindo os próprios Deputados, em caso de alguma anormalidade”.

Esta Unidade de Elite informa ainda no seu comunicado que “o referido exercício será realizado nas diferentes instituições estratégicas do País, tais como: Órgãos de Soberania, aeroportos, portos, centrais eléctricas, centros de abastecimento de águas às populações e outras, visando a elaboração de um plano preventivo de segurança contra ataques terroristas ou de outra natureza”.

O Comunicado repudia, no entanto, as declarações e insinuações proferidas na conferência de imprensa dada na última sexta-feira, dia 1, pelos partidos da Oposição, com representação parlamentar, MLSTP/PSD e PCD, que “denegriu o bom nome das pessoas e das instituições do Estado, que actua unicamente ao serviço do Estado, da Constituição e da Defesa dos interesses do Povo Santomense”.

“Como filhos da terra que juraram defender São Tomé e Príncipe mesmo ao preço da nossa própria vida, exortamos toda a população em geral para se manter calma e serena pelo facto do País encontrar-se numa situação de Paz e perfeita normalidade”— ressalta o comunicado para concluir que “Somos por São Tomé e Príncipe”.

De recordar que a Assembleia Nacional já havia esclarecido também na sua nota de imprensa do dia 2 de Setembro, os acontecimentos do dia 31 de Agosto e relacionados com o exercício militar nas suas instalações.

A nota de imprensa refere que o Comandante da UPDE dirigiu uma nota datada de 29 de Agosto e endereçada ao Secretário-Geral da Assembleia Nacional, solicitando o espaço do Palácio dos Congressos para a realização de um exercício táctico nos dias 30 e 31 de Agosto transacto no âmbito de uma formação dos seus agentes na área de Segurança Pessoal, fora do horário laboral, isto é, das 16 até 18 horas.

A nota acrescenta que o Secretário-Geral submeteu o referido pedido à consideração do Presidente da Assembleia Nacional, o qual anuiu, tendo o Secretário-Geral informado ao Comandante da UPDE de que o pedido solicitado foi autorizado.

Mas adiante diz a nota que a Assembleia Nacional encontra-se no período de férias parlamentares de 15 de Agosto a 15 de Outubro o que significa que durante esse período não se realiza nenhuma actividade parlamentar salvo nos casos determinados pela Constituição da República ou pelo regimento Interno da Assembleia Nacional pelo que estranha o facto de os Deputados desejarem entrar na Casa parlamentar fora do horário laboral visto que a portaria de entrada encontrava-se encerrada para o efeito do exercício táctico doa agentes da UPDE.

A nota conclui, afirmando por isso que “não se trata daquilo que os partidos MLSTP/PSD, PCD e UDD fizeram passar na sua conferência de imprensa relativamente ao ocorrido no dia 31 de Agosto”.

O próprio Primeiro-Ministro e Chefe do Governo, Patrice Emery Trovoada reagiu também na sexta-feira, dia 1, as informações postas a circular e segundo as quais o Parlamento teria sido cercado por tropas ruandesas.

No País, recorde-se, está um grupo de instrutores militares ruandeses a capacitar os efectivos das nossas forças e serviços de segurança (FSS).

Comentar


Código de segurança
Atualizar

  1. Popular
  2. Favorito
  3. Comentado

Ligue-se a nós

Calendário das Publicações

« Setembro 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  

Filtrar por temas